Advertisements

Tudo sobre diabetes: causas, mitos, tratamento e remédios caseiros

Advertisements

O diabetes mellitus é uma das principais causas de morbidade e mortalidade entre milhões de pessoas em todo o mundo.

Advertisements

Inatamente interligado com o desenvolvimento de doenças cardiovasculares, cegueira, danos aos nervos, danos aos rins e disfunções cerebrais, o diabetes é um desafio global para a saúde dos dias atuais.

Apesar do avanço nas ciências médicas e da implementação de estratégias de prevenção, o aumento na prevalência de diabetes é projetado em 54% em 2015–2030, com um salto de 38% no número de mortes anualmente. (1)

Diabetes e níveis crescentes de açúcar

O alimento que você ingere é quebrado para produzir energia na forma de glicose, que é transportada para as células após a absorção digestiva. Cada célula do corpo requer energia para reter seus aspectos estruturais e funcionais.

O diabetes é uma condição em que os níveis de açúcar podem aumentar quando as células do corpo são incapazes de absorver a glicose do sangue de maneira eficiente ou devido à deficiência de insulina.

As células especializadas do pâncreas, um órgão achatado presente na região abdominal, produzem um hormônio chamado insulina e o secretam diretamente no sangue. A insulina no sangue é necessária para auxiliar o movimento das moléculas de glicose da corrente sanguínea para as células. Uma vez que a glicose chega às células, ela pode ser usada ou armazenada de acordo com as necessidades de energia da célula.

Sempre que há uma secreção reduzida do hormônio insulina ou o corpo é incapaz de usar a insulina de forma eficiente, os níveis de açúcar no sangue aumentam. Este aumento acentuado no nível de açúcar no sangue é o achado característico do diabetes e acarreta o risco de várias complicações no indivíduo afetado.

Tipos e causas de diabetes

O diabetes pode ser categorizado nos seguintes tipos:

Diabetes tipo 1

O diabetes tipo 1 ocorre quando o corpo é incapaz de produzir quantidades suficientes de insulina. Esse tipo de diabetes se desenvolve como resultado de danos às células pancreáticas que produzem o hormônio insulina.

As injeções de insulina são administradas a pacientes com diabetes tipo 1 para estabilizar seus níveis de açúcar e manter a vida. (2) Anteriormente conhecido como diabetes juvenil, agora sabemos que qualquer pessoa de qualquer faixa etária pode desenvolver diabetes tipo 1.

Diabetes tipo 2

O diabetes tipo 2 é o tipo de diabetes mais prevalente, sendo responsável por aproximadamente 90% dos casos. A diabetes tipo 2 é marcada pela resposta reduzida ou fraca do corpo à insulina, chamada resistência à insulina.

Embora haja uma produção contínua de insulina, a resistência à insulina impede o transporte de glicose para as células do corpo. Com o tempo, a produção de insulina no diabetes tipo 2 diminui gradualmente, dando ao diabetes tipo 2 sua natureza progressiva.

O diabetes tipo 2 pode ser controlado fazendo mudanças no estilo de vida e seguindo o tratamento médico padrão. Vários estilos de vida e fatores genéticos desempenham um papel importante no desenvolvimento desse tipo de doença. (3)

Diabetes gestacional

O diabetes gestacional pode se desenvolver em algumas mulheres durante a gravidez. Embora geralmente tenda a desaparecer após o nascimento do bebê, ter diabetes gestacional aumenta o risco de diabetes tipo 2 em um estágio posterior da vida.

Às vezes, um caso de diabetes tipo 2 em uma mulher grávida pode ser diagnosticado erroneamente como diabetes gestacional. (3)

Pré-diabetes

O pré-diabetes é um estado metabólico que precede o diagnóstico de diabetes e é observado por níveis de açúcar no sangue acima do normal em jejum ou após as refeições. Ter pré-diabetes coloca você em grande risco de desenvolver diabetes em um futuro próximo. Nesta fase, existem intervenções que podem ajudar a prevenir o desenvolvimento de diabetes e é um apelo à ação para manter a saúde.

Os fatores de risco que têm sido associados ao desenvolvimento de diabetes incluem:

  • Genética / história familiar
  • História de diabetes gestacional ou ter um bebê que pesa> 9 libras
  • Um estilo de vida sedentário
  • Estar acima do peso ou ser obeso
  • Tomar medicamentos que podem infligir um efeito prejudicial às células pancreáticas que produzem insulina, como diuréticos, medicamentos antirrejeição, medicamentos para tratar doenças inflamatórias, problemas psiquiátricos e convulsões, para citar alguns.

Sinais de diabetes

O aparecimento dos seguintes sintomas pode identificar a presença de diabetes em seu sistema:

  • Fadiga e exaustão
  • Perda de peso (apesar de comer sua dieta normal)
  • Sede excessiva e secura na boca
  • Aumento da urina
  • Visão embaçada
  • Sentindo-se sem energia
  • Nausea e vomito
  • Dor de cabeça
  • Aumento da frequência cardíaca

Indivíduos com diabetes tipo 2 podem apresentar alguns outros sintomas que incluem:

  • Infecções freqüentes na pele
  • Cura retardada de feridas, contusões e cortes
  • Sensação de formigamento ou dormência nos pés e mãos
  • Uma sensação de alfinetes e agulhas nas pernas

Tratamento médico

Embora o diabetes continue sendo uma doença incurável, o diabetes tipo 2 precoce pode ser controlado e possivelmente revertido com mudanças na dieta e na atividade, sono melhor, controle do estresse e tratamento de outros fatores de risco para complicações.

Isso exigirá que o paciente se torne educado e atento às escolhas que faz no dia a dia. O objetivo do tratamento médico é regular os vários parâmetros de glicose no sangue, pressão arterial, colesterol e peso corporal.

O controle do diabetes prescrito por um médico envolve a administração de medicamentos orais, medicamentos injetáveis ​​e insulina. Quando necessário, seu médico pode prescrever um dos seguintes:

  1. Medicamentos orais, como a metformina, que podem ajudar a reduzir os níveis de glicose ou promover a função da insulina
  2. Medicamentos injetáveis ​​que não são insulina (agonistas do GLP-1)
  3. Administração diária de insulina por meio de seringas, bombas e agulhas de caneta
  4. Um medicamento para baixar o colesterol, como estatina
  5. Medicamento para manter a pressão arterial normal e ajudar a proteger seus rins

Diagnosticando Diabetes

Um caso suspeito de diabetes pode ser confirmado por meio das avaliações laboratoriais a seguir.

1. Níveis de glicose plasmática de jejum (FPG)

O teste de glicose plasmática em jejum fornece uma medida dos níveis de açúcar no sangue após um jejum de 8 horas, geralmente feito de manhã cedo. Um resultado de teste FPG de mais de 126 mg / dL em duas ou mais ocasiões indica que você tem diabetes.

2. Teste A1c (hemoglobina A1C ou HbA1C)

O teste A1c é um teste de diagnóstico que determina seus níveis médios de glicose no sangue nos últimos meses. Não há necessidade de fazer jejum para este teste. Também pode ajudar pacientes com diagnóstico prévio a determinar se o tratamento está funcionando para eles ou não.

Os resultados do teste A1c são dados em valores percentuais. Quanto maior for a porcentagem de A1c, maior será a medição dos níveis médios de glicose no sangue. Um nível de A1c> 6,5% é indicativo de diabetes.

3. Teste de glicose plasmática aleatória (RPG)

Esse exame de sangue geralmente é recomendado quando há sintomas visíveis de diabetes no indivíduo e seu médico deseja uma revisão imediata. Não há necessidade de jejum durante a noite para este teste. A glicose sanguínea aleatória de> 200 mg / dL é sugestiva de diabetes e requer mais testes.

Níveis de glicose no sangue para pessoas com diabetes

Indivíduos com diabetes devem controlar seus níveis de açúcar no sangue para prevenir complicações. Com base em grandes estudos, manter o açúcar no sangue dentro da faixa normal pode prevenir a progressão ou o desenvolvimento de complicações.

Com a segurança e a prevenção de níveis baixos de açúcar no sangue em mente, é recomendado que os indivíduos com diabetes mantenham:

  • Um nível de açúcar no sangue em jejum de 80 a 130 mg / dL
  • Um nível de açúcar no sangue na hora das refeições de 2 horas abaixo de 180 mg / dL

Exceder a marca de 180 pode levar ao acúmulo de açúcar no sangue e é conhecido como hiperglicemia, enquanto uma queda repentina no nível de açúcar no sangue abaixo da marca de 70 é perigosa e é conhecida como hipoglicemia.

  • Sempre que sentir um aumento nos níveis de açúcar no sangue, beber 1 a 2 copos de água seguido de uma caminhada rápida pode ajudar a normalizá-lo. No entanto, se o seu sangue exceder a faixa normal com mais frequência por três vezes em um intervalo de 2 semanas, procure atendimento médico para otimizar seu plano de controle do diabetes.
  • Açúcar no sangue, ou hipoglicemia, é uma ocorrência comum em pacientes que tomam certos medicamentos orais ou injeções de insulina. Os sintomas da hipoglicemia incluem sensação de fome, sudorese profusa e tremores. A recomendação para o tratamento da hipoglicemia é tomar 15 g de glicose – você pode ter em mãos comprimidos de glicose ou 4 onças de leite ou sucos de frutas para aumentar seus níveis de açúcar. Enquanto isso, verifique o nível de açúcar no sangue a cada 15 minutos até atingir> 70. Dependendo de quão baixo o seu açúcar no sangue cai, você pode descobrir que ainda tem sintomas leves ou fadiga, apesar de seus níveis de açúcar no sangue terem melhorado. Tente não consumir muito para evitar a repercussão dos níveis elevados de glicose no sangue.

Remédios caseiros e dicas para controlar o diabetes naturalmente

Não há cura definitiva para o diabetes, mas com os níveis de açúcar no sangue sob controle, você pode levar uma vida normal e saudável. Várias formas naturais podem ser incorporadas em sua vida diária que podem ajudá-lo a controlar o açúcar no sangue a um nível ideal.

Aqui estão algumas maneiras de controlar os níveis de açúcar no sangue naturalmente.

Nota: Esses remédios são adjuvantes ao tratamento padrão e devem ser tomados com moderação. O excesso de indulgência pode levar a uma queda significativa na glicose no sangue, o que, por sua vez, pode resultar em consequências graves. Desnecessário dizer que você precisa consultar um médico para um diagnóstico e tratamento médico adequados.

1. Adote mudanças no estilo de vida e nos padrões alimentares

Mudanças no estilo de vida podem ajudar a controlar o diabetes até certo ponto.

Essas mudanças estão voltadas para a eliminação de atividades potencialmente prejudiciais à saúde e sua substituição por atividades voltadas à promoção da saúde.

Alterar sua dieta pode ajudar a manter o açúcar no sangue estável. Indivíduos com diagnóstico de diabetes são aconselhados a tomar cuidado com o que comem, a manter o tamanho adequado das porções e a restringir o consumo de alimentos com alto índice glicêmico.

O índice glicêmico é uma medida da rapidez com que um determinado alimento aumenta o nível de açúcar no sangue. Evitar alimentos processados ​​e apostar em alimentos integrais com muita fibra algumas formas de simplificar suas refeições.

O estilo de vida diário e as intervenções dietéticas recomendadas para um indivíduo com diagnóstico de diabetes incluem o seguinte: (4)

  • Restrinja o consumo de álcool ao mínimo.
  • Se você tem o hábito de fumar, pare imediatamente. Os fumantes correm um risco 50% maior de contrair diabetes do que os não fumantes e apresentam um risco maior de complicações.
  • Tenha como objetivo de 7 a 8 horas de sono com qualidade sonora.
  • Limite o consumo de cafeína a não mais do que 4 xícaras por dia.
  • Monitore o açúcar no sangue, o peso, a pressão arterial e os níveis de colesterol regularmente.
  • Mantenha um peso corporal saudável por meio de uma dieta saudável e exercícios. Comece perguntando ao seu médico qual seria um peso saudável para se esforçar e estabeleça metas incrementais para chegar lá.
  • Evite fritar seus alimentos. Inclua assar, grelhar, grelhar e churrasco em suas práticas culinárias. Evite molhos açucarados usando ervas e especiarias frescas.
  • Incorpore uma grande parte de sua dieta com alimentos com baixo índice glicêmico, como vegetais sem amido, incluindo feijão verde, brócolis, repolho, cenoura e repolho.
  • Limite o consumo de alimentos ricos em amido com alto índice glicêmico, como massas, macarrão, pão, arroz, aveia processada, batata branca, alimentos açucarados e bebidas.
  • Reduza a ingestão de alimentos derivados de animais, como aves, ovos, carne vermelha e laticínios. Escolha carne magra, peixe, tofu e lentilhas como fontes de proteína e combine-os com muitos vegetais coloridos. Considere mudar para uma dieta vegana, mesmo que por apenas um dia por semana, para adicionar fibras em abundância e carboidratos saudáveis ​​em sua dieta.
  • Coma alimentos ricos em fibras, como grãos inteiros, vegetais coloridos e frutas como mirtilo, morango, maçãs. No entanto, é aconselhável comer frutas com moderação. Evite comer gorduras processadas (gorduras trans, gorduras interesterificadas e margarina) Limite a ingestão de sal. Escolha azeite de oliva prensado com bagaço e incorpore gorduras saudáveis, como abacate, nozes, manteiga de nozes, sementes de linhaça e óleo de linhaça e sementes de chia. Use a estévia como substituto do açúcar.
  • Evite usar molhos, marinadas e molhos ricos em gordura e carregados com conservantes, aditivos, açúcar e sal.
  • A vitamina D está positivamente associada à produção de insulina no corpo. Passe algum tempo diariamente ao sol para colher seus benefícios ou tome um suplemento conforme recomendado pelo seu médico.
  • Mantenha-se hidratado com água. Evite refrigerantes e sucos embalados com adição de açúcares.
  • Indivíduos que não podem realizar exercícios físicos podem optar por trabalhar com um fisioterapeuta para começar de onde estão e trabalhar em um plano de exercícios graduais. Isso ajudará a evitar lesões.
  • O estresse pode ser a causa do aumento do nível de açúcar no sangue. Experimente técnicas de relaxamento, como respiração profunda e meditação, ou ouça uma música suave para se acalmar. Tenha uma prática diária de relaxamento e execute técnicas de atenção plena ao longo do dia.
  • Inclua uma quantidade moderada de vinagre branco e vinagre de cidra de maçã nos preparativos das refeições. Embora o consumo de vinagre tenha sido associado a consideráveis ​​efeitos positivos sobre os marcadores de diabetes, são necessários mais estudos para examinar os resultados em longo prazo e a dosagem apropriada de vinagre no diabetes tipo 2. (5) (6) (7) (8)
  • Adicione açafrão ao chá, ao leite, aos ensopados ou consuma-os como suplementos. A cúrcuma é conhecida por ajudar a combater o estresse oxidativo, reduzir o risco de demência, diminuir o aumento dos níveis de açúcar e lipídios no sangue, o que pode eventualmente ajudar a conter os efeitos nocivos do diabetes. No entanto, mais estudos são necessários para determinar o uso a longo prazo de açafrão como remédio em indivíduos afetados. (9) (10)
  • O alho pode ser adicionado à dieta e tem se mostrado eficaz na redução dos níveis de glicose no sangue. Extrato de alho é creditado com uma ampla gama de mecanismos biológicos que podem ser benéficos para sua saúde geral. As propriedades antimicrobianas, prebióticas, anticarcinogênicas, antimutagênicas, antioxidantes e imunomoduladoras desse composto podem ser otimizadas para o controle do diabetes em particular. A composição do alho muda dependendo de como é preparado. O alho pode ser consumido cru ou cozido, alho em pó desidratado, extrato de alho ou óleo de alho preparado por uma solução aquosa de alho. Além de adicionar alho à sua dieta, é necessária mais intervenção científica para estudar o uso clínico do alho e seus possíveis efeitos colaterais. (11) (12)
  • Alguns estudos em animais apoiaram a adição de quiabo à dieta com a intenção de reduzir os níveis de glicose. Quiabo pode ser consumido inteiro, torrando as sementes e embebido durante a noite para criar água de quiabo, bem como um chá. Quiabo tem muitas propriedades na forma de vitaminas e minerais; é rico em fibras e antioxidantes. No entanto, estudos em seres humanos são necessários para estabelecer seus efeitos benéficos e como funciona para ajudar a controlar o diabetes. (13) (14)
  • O uso de gengibre medicinalmente tem se mostrado eficaz em pequenos grupos randomizados para melhorar o açúcar no sangue em jejum e diminuir a A1C. A dosagem de gengibre é importante, e mais pesquisas em seres humanos são necessárias para uma compreensão mais profunda de seu uso clínico em indivíduos com diabetes. (15) (16) (17)

2. Pratique atividade física

A prática regular de exercícios pode ajudar a estabilizar os níveis de açúcar, permitindo a captação de glicose pelas células, reduzindo assim os níveis de açúcar no sangue.

Além disso, a atividade física ajuda a regular várias variáveis ​​que são de extrema preocupação na progressão do diabetes, como manter o peso corporal e diminuir a pressão arterial, os triglicerídeos e os níveis de açúcar no sangue.

Seguir um regime regular de exercícios também ajuda a combater o estresse e a melhorar a proporção entre o colesterol ruim e o colesterol bom.

A prática de atividades físicas reduz a resistência à insulina e reduz o risco de obesidade / ganho de peso e complicações cardiovasculares que podem surgir como resultado de diabetes não controlado. (4)

Incorpore um regime de exercícios em sua vida por cerca de 30 minutos todos os dias, pelo menos, 5 dias por semana. Você também pode dividi-lo em uma sessão de 10 a 15 minutos, duas a três vezes ao dia.

  • A caminhada rápida é uma maneira muito fácil de se manter ativo todos os dias de sua vida.
  • Pratique exercícios aeróbicos, como dança, aeróbica, natação e ciclismo.
  • Você também pode escolher exercícios de treinamento de força, como levantamento de peso, para manter os músculos e ossos fortes e monitorar o peso do corpo.
  • Faça exercícios de alongamento para promover a flexibilidade.
  • Indivíduos com diagnóstico de pré-diabetes que se exercitam 150 minutos por semana podem reduzir suas chances de desenvolver diabetes em um futuro próximo.

3. Consumir sementes de feno-grego

O feno-grego é uma semente que tem sido usada em todo o mundo para ajudar na redução do açúcar no sangue. Foi demonstrado que as sementes de feno-grego estimulam a secreção de insulina em resposta às refeições e reduzem a absorção de gordura e glicose.

Um bônus é que ele é rico em fibras e retarda a absorção de carboidratos e açúcares. (19) Vários estudos apóiam o uso de sementes de feno-grego na regulação dos níveis normais de glicose no sangue. (26) (27) (28)

Em uma meta-análise de 2016 publicada no Journal of Ethnopharmacology , o feno-grego foi incluído na dieta de 1173 indivíduos com diabetes tipo 2 e pré-diabetes, e teve efeitos favoráveis ​​na glicemia de jejum, colesterol total e HbA1c. (19)

Outro estudo descobriu que consumir menos de 2 gramas de feno-grego não foi associado a nenhum efeito proeminente, enquanto uma dosagem de 5 gramas produziu resultados positivos significativos para os indivíduos. (25) No entanto, alguns efeitos colaterais foram relatados com o consumo de altas dosagens de feno-grego, como náuseas, dores de estômago e urina e suor odoríferos.

Cuidado:

  • As mulheres grávidas devem evitar o consumo em massa de sementes de feno-grego devido à capacidade das sementes de induzir anormalidades de desenvolvimento no feto em crescimento. (45)
  • O feno-grego pode interagir com anticoagulantes e ciclofosfamida.
  • Não tome feno-grego se você tiver cânceres sensíveis aos hormônios, como câncer de mama. (42)
  • Consumir feno-grego com moderação.

Conclusão:Você pode comer sementes de feno-grego inteiras ou moê-las até virar pó. É melhor adicionar sementes de feno-grego aos alimentos para um plano de dieta saudável. O feno-grego pode ser considerado por seus efeitos na redução do açúcar no sangue, embora deva ser consumido com moderação para evitar quaisquer efeitos adversos em sua saúde.

4. Coma abóbora amarga (melão amargo)

A cabaça amarga, também conhecida como melão amargo, demonstrou ter potencial na redução da glicose no sangue em pequenos estudos clínicos. É conhecido por influenciar o metabolismo da glicose no corpo, aumentar a secreção pancreática de insulina e afetar a resistência à insulina.

Um ensaio de controle randomizado de 2011 descobriu que o tratamento de 2.000 mg / dia de cabaça amarga internados com diabetes tipo 2 resultou em uma redução dos níveis de glicose no sangue. No entanto, esses efeitos foram comparativamente menores do que aqueles do grupo que recebeu 1000 mg de metformina por dia. (18) (22)

Outra revisão de 2012 que envolveu 479 pacientes descobriu que não houve melhora estatisticamente significativa no nível de açúcar no sangue depois de consumir preparações de cabaça amarga por um período de 3 meses. (44)

Não houve efeitos colaterais relatados durante o estudo.

O melão amargo pode ser consumido de várias maneiras, incluindo comendo o melão, consumindo o suco ou tomando preparações em pó inteiras, mas não existem preparações comprovadas para tratar o diabetes de forma específica ou independente.

Considere o melão amargo se fizer parte da sua ecologia, da sua dieta atual e algo de que você goste. Não o consuma se estiver grávida.

Conclusão:A cabaça amarga pode desempenhar um papel importante no controle do diabetes, mas só deve ser usada como parte de seu plano de dieta saudável e como adjuvante dos medicamentos convencionais. Tenha cuidado ao adicionar melão amargo à sua dieta, especialmente quando estiver tomando medicamentos para diabetes, pois pode causar hipoglicemia.

5. Beba suco de Aloe Vera

Aloe vera contém fitoesteróis que possuem possíveis efeitos anti-hiperglicêmicos em pacientes com diabetes tipo 2.

Uma meta-análise de 2016 publicada no Journal of Clinical Pharmacy and Therapeutics , que envolveu 470 pacientes com pré-diabetes e diabetes tipo 2, descobriu que a suplementação de suco de aloe vera levou a melhorias nas variáveis ​​de glicose no sangue em jejum e HbA1c. (34)

Aloe vera reduz a síntese de glicose e a absorção pós-prandial de glicose no estômago e na região intestinal.

Também é sugerido que o aloe vera ajuda na degradação da glicose e aumenta seu armazenamento e gasto. Embora vários estudos relatem que não houve efeitos colaterais do aloe vera, há necessidade de mais pesquisas entre grandes grupos de estudo. (34) (35) (36)

O suco de Aloe vera é feito do filé interno da folha e pode ser consumido adicionando seu suco a smoothies, sucos de frutas e água comum.

Nota : O consumo de Aloe vera está associado a efeitos colaterais em alguns casos, como cãibras abdominais, fraqueza muscular e diarreia, dependendo da parte da folha consumida.

Conclusão:Aloe vera pode ser adicionado ao seu plano de dieta saudável para ajudar a regular os níveis de açúcar no sangue. No entanto, uma análise mais conclusiva é necessária para verificar a eficácia deste remédio.

6. Inclua canela em sua dieta

A canela fresca contém componentes bioativos que podem ajudar a reduzir os níveis de açúcar no sangue.

Uma revisão sistemática e meta-análise de 2013 publicada no Annals of Family Medicine incluiu 10 ensaios clínicos randomizados, onde o consumo de canela foi avaliado em 543 pacientes. (29)

Verificou-se que a ingestão de canela melhorou significativamente os níveis de glicose no sangue em jejum, colesterol ruim, triglicerídeos e colesterol total e aumentou os níveis de colesterol bom ao mesmo tempo.

Um estudo de 2015 publicado na Nutrition descobriu que dos sete estudos clínicos com canela, cinco estudos observaram que o uso da canela estava associado a uma diminuição nos níveis de açúcar no sangue em jejum. (30)

No entanto, os estudos foram realizados em um pequeno grupo de indivíduos saudáveis, e isso sugere a necessidade de mais pesquisas com pessoas com diabetes e de forma que os resultados possam ser replicados.

Além disso, deve-se notar que a canela comercialmente disponível que atende pelo nome científico de Cassia canela contém um excesso do composto bioativo chamado cumarina, que se ingerido em excesso, pode ser tóxico e pode resultar em danos ao fígado. (30)

Uma opção muito mais segura é a verdadeira canela ou canela do Ceilão, embora sejam necessárias pesquisas consideráveis ​​para determinar seus efeitos nos níveis de açúcar no sangue. (30)

A canela pode ser adicionada a uma variedade de alimentos, sobremesas, saladas e chás / bebidas.

Conclusão:Embora a canela possa ajudar a manter os níveis de açúcar no sangue estáveis, a falta de clareza em relação ao seu uso e as revisões mistas exigem mais investigação científica para aplicar esses resultados ao cuidado do paciente.

7. Considere frutas em pó de groselha indiana

A groselha indiana é rica em vitamina C e seu suco promove o bom funcionamento do pâncreas.

O uso terapêutico dessa fruta é atribuído à presença de grandes quantidades de taninos que ajudam a aumentar a captação de glicose. A groselha também é rica em minerais, a saber, zinco, cobre e cromo. (21)

Além de seus efeitos redutores de açúcar no sangue, as frutas da groselha indiana reduzem as complicações do diabetes nos olhos, no coração e nos rins. (24)

Um estudo de 2011 publicado no International Journal of Food Sciences and Nutrition destacou que consumir amla em pó com água todas as manhãs resultou em uma diminuição nos níveis de glicose pós-prandial e glicose no sangue em jejum em indivíduos com e sem diabetes. (20)

O estudo recomenda mais pesquisas para ajudar a confirmar o uso de frutas da groselha como uma cura terapêutica alternativa para o diabetes.

Você pode consumir frutos de groselha em pó com água.

Conclusão:A groselha indiana é abençoada com propriedades hipoglicêmicas, e uma exploração mais aprofundada é garantida para determinar seu mecanismo de ação exato na redução do açúcar no sangue.

8. Use sementes de cominho preto

O cominho preto também é um dos ingredientes da cozinha que pode ajudá-lo a controlar o diabetes.

Um estudo de 2015 publicado na PLOS One relatou que o consumo de cominho preto todos os dias como adjuvante foi associado a um melhor controle da glicose no sangue e níveis reduzidos de glicose no sangue em jejum e HbA1c durante o período de 1 ano de suplementação. (31)

Um ensaio clínico randomizado de 2010 sugeriu que o consumo oral de cominho preto pode ajudar a reduzir as medições de HbA1c, glicemia de jejum e níveis de glicose sanguínea pós-refeição em indivíduos com diabetes tipo 2 quando tomados junto com os medicamentos padrão. (32)

Outra revisão de 2016 de 23 estudos descobriu que quase 13 estudos apoiaram os efeitos positivos do cominho preto na redução do açúcar no sangue em jejum. (33)

Adicione sementes de cominho preto ou óleo em seus preparativos de cozinha, não apenas para realçar o sabor, mas também para colher os benefícios das sementes para seus níveis de açúcar no sangue.

Conclusão:O cominho preto pode ser usado como complemento ao tratamento padrão para estabilizar os níveis de glicose no sangue de pacientes com diabetes tipo 2.

9. Tome os suplementos recomendados

uma. Cromo

O cromo é um elemento exigido pelo corpo em quantidades muito pequenas e é necessário para o metabolismo de várias biomoléculas, incluindo carboidratos, proteínas e lipídios.

A deficiência de cromo foi encontrada em 31,5% dos participantes em um estudo de 2014 que incluiu 108 indivíduos com diagnóstico de pré-diabetes. (23) A deficiência de cromo pode estar presente em pacientes com diabetes.

Estudos que analisam os efeitos do cromo têm resultados conflitantes, e isso garante uma avaliação mais detalhada das populações de pacientes que podem se beneficiar deste mineral.

Um estudo de 2014 publicado no Journal of Clinical Pharmacy and Therapeutics destacou que a suplementação de cromo para pacientes com diabetes levou a melhorias significativas nos níveis de açúcar no sangue, glicose no sangue em jejum, HbA1c, colesterol bom e triglicerídeos. (38)

No entanto, um estudo anterior em 2010 demonstrou que a suplementação de cromo não contribuiu para melhorar os níveis de glicose no sangue ou a função da insulina. (37)

O cromo pode ser encontrado na forma de suplemento, mas deve ser ingerido com cautela e nunca em quantidade excessiva. Não tome se tiver doença renal ou hepática.

O cromo pode ser adicionado à sua dieta consumindo brócolis, cevada, aveia, feijão verde, tomate, alface romana e pimenta-do-reino.

Conclusão:A deficiência de cromo pode ser avaliada em pessoas com diabetes e pode ser reposta se a deficiência for descoberta. No entanto, a escassez de informações a esse respeito exige estudos mais rigorosos para estabelecer a relação exata entre a deficiência de cromo e o diabetes.

b. Magnésio

O magnésio é um mineral abundantemente presente nas células do corpo e está essencialmente presente como um eletrólito.

Um aumento na incidência de deficiência de magnésio é encontrado em indivíduos com diabetes tipo 2, particularmente aqueles com controle insuficiente de seus níveis de glicose no sangue. (39)

Uma meta-análise de 2011 que incluiu 536.318 indivíduos descobriu que o risco de desenvolver diabetes tipo 2 e a ingestão de magnésio estão inversamente relacionados. (40)

Indivíduos com diabetes tendem a ter níveis mais baixos de magnésio do que indivíduos normais saudáveis, o que é atribuído ao aumento da excreção urinária ou a um consumo comparativamente menor do mineral na dieta.

Em uma meta-análise de 2016, a administração oral de magnésio resultou em melhorias na glicemia de jejum em pacientes com diabetes tipo 2 e indivíduos de alto risco. (41)

Você pode adicionar sementes de abóbora, espinafre, acelga, soja, sementes de gergelim, amêndoas, castanha de caju e banana à sua dieta para aumentar a ingestão de magnésio. Você também pode pedir um suplemento ao seu médico.

Conclusão:Embora uma deficiência de magnésio tenha sido associada ao diabetes, seu papel precisa ser verificado por meio de grandes ensaios clínicos randomizados. Adicionar alimentos ricos em magnésio à dieta evitará o esgotamento desse mineral e deve fazer parte de um plano de dieta saudável.

O diabetes é reversível?

Embora o diabetes seja considerado uma doença incurável, a comunidade científica está aprendendo cada vez mais sobre sua reversibilidade.

O diagnóstico precoce desempenha um papel essencial no controle do diabetes, e mudanças agressivas no estilo de vida podem manter os níveis de açúcar no sangue dentro dos limites normais sem medicação e podem retardar a progressão do diabetes.

Embora o diabetes seja geralmente classificado em tipo 1 ou tipo 2, há uma grande variabilidade nos defeitos subjacentes que causam o diabetes.

Portanto, é importante entender o seu caso de diabetes, e o melhor tratamento é planejado por você e seu médico. Ser um participante ativo em suas decisões sobre cuidados de saúde será útil para você.

A epidemia de diabetes tipo 2 está aumentando devido a mudanças em nossas dietas, na maneira como vivemos nossas vidas e nos ciclos naturais em nosso corpo e meio ambiente.

Lidar com esses fatores-chave tomando medicamentos prescritos, se indicado, mantendo um peso saudável, tendo um sono de qualidade, exercícios regulares e adotando padrões de alimentação saudáveis ​​irão colocá-lo no melhor caminho para uma boa saúde.

Se você tem diabetes tipo 1, diabetes tipo 2 por um período prolongado de tempo ou diabetes não controlado, pode haver dano permanente às células pancreáticas que produzem insulina.

Nesse caso, você terá que depender de medicamentos, incluindo insulina para complementar sua dieta, e precisará fazer exercícios para manter os níveis de açúcar no sangue estáveis ​​e prevenir quaisquer complicações associadas.

Quem corre mais risco?

O diabetes tipo 1 provavelmente se desenvolve mais em:

  • Indivíduos que são geneticamente predispostos à doença
  • Crianças, adolescentes e adultos jovens, embora qualquer pessoa possa ter diabetes tipo 1 em qualquer idade

O diabetes tipo 2 pode se desenvolver se:

  • Você foi diagnosticado com pré-diabetes.
  • Você está obeso ou com sobrepeso.
  • Você tem 45 anos ou mais.
  • Você tem histórico familiar de diabetes tipo 2.
  • Você tem diabetes gestacional ou deu à luz uma criança com mais de 4 quilos.
  • Você é de origem afro-americana, hispânica / latino-americana, americana-indiana ou do Alasca.

Como o diabetes pode ser hereditário, crianças nascidas de pessoas com diabetes correm maior risco de desenvolver a doença.

O diabetes em crianças tem sido associado a um risco de danos ao coração, vasos sanguíneos, rins, olhos e nervos, levando a problemas crônicos de saúde e até mesmo à morte nos primeiros anos de vida.

Consequências da diabetes

Níveis elevados de açúcar no sangue por um longo período podem causar uma série de complicações no indivíduo afetado

Esses incluem:

  • Problemas cardiovasculares que afetam o coração e os vasos sanguíneos. Isso pode levar à doença arterial coronariana, ataques cardíacos, doença vascular periférica e derrame.
  • Doenças renais como resultado de danos aos vasos sanguíneos dos rins afetando sua função normal.
  • O dano ao nervo pode ser induzido pelos efeitos tóxicos de açúcar elevado no sangue, compressão nervosa e falta de fluxo sanguíneo.A neuropatia, ou lesão nervosa, se apresenta na forma de dor, perda de sensação e formigamento, afetando mais comumente as partes periféricas do corpo, como mãos e pés.Danos nervosos mais avançados podem afetar a mobilidade gástrica, a micção, o controle da pressão arterial e a frequência cardíaca.
  • Podem ocorrer problemas oculares, como visão reduzida ou até cegueira, se o açúcar no sangue, o colesterol e a pressão arterial não forem regulados.Indivíduos de alto risco são incentivados a fazer um exame de triagem ocular para diabéticos uma vez por ano para verificar a saúde ocular.
  • A periodontite pode ocorrer como resultado de um risco aumentado de inflamação da gengiva em indivíduos afetados.
  • A gravidez gestacional pode aumentar o risco de nascimento prematuro do bebê, aumento do peso do bebê ao nascer, parto cesáreo e pré-eclâmpsia.

Mitos e Fatos

Mito: o diabetes tipo 2 é uma doença que afeta indivíduos obesos e com sobrepeso.

Fato: Embora a obesidade seja um importante fator de risco para diabetes tipo 2, ela não é o único fator, e a genética desempenha um papel, independentemente da falta de quaisquer fatores de risco ou de um perfil metabólico sólido. (43)

É importante que você compreenda seu diabetes.

Mito: Comer muito açúcar pode causar diabetes

Fato: as  pessoas costumam associar o diabetes à ingestão excessiva de açúcar. No entanto, isso não é verdade. O diabetes se desenvolve quando as células não são capazes de absorver o açúcar e há uma redução relativa da secreção de insulina que não consegue superar a resistência à insulina.

A ingestão excessiva de açúcar não é recomendada como parte de uma dieta saudável e desempenha um papel nos efeitos metabólicos adversos e na natureza inflamatória das dietas com alto teor calórico e baixo teor de nutrientes que danificam a resposta celular à insulina e as próprias células que a produzem.

Quando você consome um excesso de alimentos açucarados, seu corpo entra em uma fase em que converte o excesso de açúcar em gorduras no fígado, levando ao peso, à obesidade e ao risco de desenvolver diabetes tipo 2.

Portanto, é melhor restringir ou, na melhor das hipóteses, evitar o consumo de alimentos e bebidas adoçados. Indivíduos com diabetes precisam seguir uma dieta balanceada com baixo consumo de açúcar e consumir alimentos ricos em fibras conforme orientação de um nutricionista.

Mito: todas as pessoas com diabetes precisam tomar insulina?

Fato: Como o diabetes tipo 1 é uma perda absoluta de insulina, a administração de insulina deve ser feita para sustentar a vida.

No entanto, os indivíduos com diabetes tipo 2 têm uma variedade de medicamentos disponíveis, incluindo insulina, para otimizar o controle de açúcar no sangue e lidar com os riscos de complicações.

Tomar os medicamentos prescritos e adotar um estilo de vida e dieta saudáveis ​​pode ajudar a regular os níveis de açúcar no sangue.

Mito: nenhum membro da sua família tem diabetes; isso significa que você não vai conseguir.

Fato:  Embora o histórico familiar seja um fator de risco quando se trata de diabetes, a ausência da doença entre os membros da família apenas diminui o risco de contrair a doença e não o elimina completamente.

Quando consultar um médico

Procure ajuda médica imediata se observar o aparecimento dos seguintes sintomas:

  • Sensação persistente de sede
  • Micção frequente, especialmente à noite
  • Sentindo-se exausto
  • Emagrecendo sem nenhum esforço
  • Cura retardada de feridas

Pensamentos finais

As estatísticas mostram um aumento dramático nos casos de diabetes e transmitem uma chamada alarmante para este problema de saúde global, que precisa ser tratado em grande escala.

Você pode ajudar cuidando de si mesmo. Submeter-se a uma triagem ou teste de diagnóstico se você sabe que está sob risco ou observa sintomas é de suma importância quando se trata de obter os melhores resultados no controle do diabetes.

Embora seja uma condição crônica, o diabetes pode ser controlado em grande parte seguindo um plano de dieta saudável, fazendo exercícios de sua escolha, tomando os tratamentos médicos prescritos e acompanhando exames regulares para monitorar seu estado de saúde.

Seja um participante ativo em suas decisões sobre cuidados de saúde e eduque-se com frequência.

Add a Comment

Your email address will not be published.