Advertisements

Dieta da pedra nos rins e dicas alimentares para sua prevenção

Advertisements

Conteúdo

Quando as substâncias encontradas na urina se tornam altamente concentradas, um material sólido semelhante a uma pedra é formado no rim. Isso é conhecido como ‘pedra nos rins’ ou ‘cálculos renais’ ou o termo médico para pedra nos rins é ‘NEFROLITIASE’. Esta pedra pode percorrer o trato urinário ou pode permanecer no rim. Essas pedras variam em tamanho e composição. Pequenas pedras nos rins podem sair do trato urinário sem causar muita dor e desconforto, mas algumas pedras grandes requerem cirurgia.

Advertisements

SINAIS E SINTOMAS DE PEDRAS NOS RINS

  • Dor intensa e desconforto no abdômen ou na parte inferior das costas
  • Dor ou sensação de queimação ao urinar
  • Presença de sangue na urina
  • Necessidade persistente de urinar, mas liberando pequena quantidade de urina
  • Náuseas e vômitos (raro)
  • Febre e calafrios na presença de infecção (raro, mas devido a infecção, se houver)

CAUSAS DE PEDRAS NOS RINS

  • Hipercalciúria: É uma condição médica na qual grande quantidade de cálcio é excretada para fora do corpo através da urina. A pesquisa mostrou que as pessoas com hipercalciúria correm um risco maior de desenvolver cálculos renais e isso se deve a duas razões principais: aumento do estado de saturação dos sais de cálcio urinários, como fosfato de cálcio e oxalato de cálcio, e diminuição da atividade de inibidores que podem proteger contra a formação de cálculos renais, como citratos.
  • História familiar de cálculos renais: Indivíduos com histórico familiar de desenvolvimento de cálculos renais correm um risco maior em comparação com aqueles sem histórico familiar.
  • Gota: O excesso de ácido úrico (um produto residual) se acumula no sangue e forma cristais nas articulações e nos rins. Esses cristais são depositados nos rins e podem se tornar grandes pedras, o que pode causar dor e desconforto e causar danos permanentes aos rins.
  • Acidose tubular renal distal: Neste, os rins não conseguem excretar ácidos na urina. Isso, por sua vez, faz com que o sangue de um indivíduo permaneça muito ácido. Uma das complicações da acidose tubular renal distal são os cálculos renais.
  • Desidratação: Uma causa muito comum de pedras nos rins é a desidratação ou beber menos líquido. A desidratação crônica pode levar à produção de urina com maior concentração de resíduos e minerais. Isso pode levar à formação de cristais, que podem se acumular nos rins para se tornarem pedras.
  • Hiperparatireoidismo secundário: Nesta condição, as glândulas paratireoides tornam-se hiperativas, resultando em excesso de produção de hormônio da paratireoide. Isso, por sua vez, causa hipercalciúria, que causa ainda mais a formação de pedras nos rins.
  • Hiperoxalúria: É um distúrbio caracterizado por altos níveis de oxalato na urina. Indivíduos com esse distúrbio têm um risco aumentado de desenvolver cálculos renais de oxalato de cálcio.
  • Doença inflamatória intestinal crônica: A má absorção associada à doença inflamatória intestinal crônica causa aumento da absorção de oxalato, aumentando a solubilidade do oxalato e reduzindo a excreção de citrato. Além disso, o volume de urina diminui, a urina torna-se mais concentrada e o pH da urina diminui, levando à formação de cálculos renais.

TIPOS DE PEDRAS NOS RINS

Tipos de pedras Composição da Pedra
Pedras de cálcio Oxalato de cálcio e fosfato de cálcio
Pedras de ácido úrico Cristais de ácido úrico
Pedras de estruvita Combinação tripla de magnésio, fosfato e amônio
Pedras de cistina Precipitação de cistina
  1. Pedras de cálcio: Ocorre em duas formas principais: oxalato de cálcio e fosfato de cálcio. As pedras de cálcio são o tipo mais comum de pedras nos rins. Dos dois, os cálculos de oxalato de cálcio são mais comuns em comparação com os cálculos de fosfato de cálcio. Os cristais de oxalato de cálcio são formados através da combinação de cálcio com ácido oxálico. Essas pedras podem ser formadas devido a doenças sistêmicas (como uma doença intestinal), uma dieta rica em cálcio, certos medicamentos, genética ou outros problemas renais.
  2. Pedras de ácido úrico: Essas pedras são feitas de cristais de ácido úrico, que é um produto de degradação do DNA e RNA. Essas pedras podem ser de cor laranja ou vermelha porque absorvem os produtos da degradação da hemoglobina. Os cristais de ácido úrico, quando eliminados na urina, podem dar-lhe uma cor vermelho-alaranjada. Eles podem ser causados ​​pela ingestão de muita proteína animal, especialmente carne vermelha.
  3. Pedras de estruvita: são feitas de uma combinação tripla de magnésio, fosfato e amônio. Certas bactérias entram no corpo e levam à formação de tais cristais, o que leva ainda à formação de pedras de estruvita. Essas pedras podem se tornar enormes e suas bactérias podem causar danos aos rins. Além disso, as bactérias podem entrar na corrente sanguínea e causar sepse. Indivíduos com infecção renal correm maior risco de desenvolver cálculos de estruvita.
  4. Pedras de cistina: Estas pedras são raras e podem ocorrer apenas em indivíduos com doença/doença renal hereditária chamada ‘cistinúria’. Em tal distúrbio, quantidades anormais de quatro aminoácidos, dos quais um é a cistina que entra na urina. Isso leva à formação de cristais e pedras nos rins. Os cálculos de cistina podem se tornar muito grandes e podem bloquear os túbulos renais e causar mais danos.

DIAGNÓSTICO DE PEDRAS NOS RINS

  • Teste de urina: Este teste ajuda um indivíduo a saber a quantidade de minerais formadores de pedra que ele está excretando na urina. A presença ou ausência de infecção também pode ser detectada.
  • Exame de sangue: O exame de sangue pode ajudar a revelar problemas bioquímicos que podem levar à formação de cálculos renais, como níveis elevados de cálcio no sangue.
  • Ultrassonografia: Ajuda a detectar e medir as pedras nos rins.
  • Tomografias computadorizadas: podem ajudar a detectar a presença de cálculos, suas localizações e seu tamanho.

RECOMENDAÇÕES DIETÉTICAS

Fique hidratado

Beber pelo menos 2,5 a 3 litros de líquidos por dia é a regra geral no tratamento de cálculos renais. A principal causa de pedra nos rins é a urina concentrada. Portanto, mais quantidades de líquidos são necessárias para diluir a urina. No entanto, fluidos com alto teor de açúcar, como bebidas açucaradas, sucos de frutas embalados e xaropes de açúcar, devem ser restritos. Além de beber água, alguns outros fluidos também podem ajudar no tratamento da pedra nos rins, incluindo.

  1. Suco de limão: O citrato ou ácido cítrico dos limões previne a formação de cristais. Pode-se facilmente adicionar um pouco de suco de limão fresco à água regular para adicionar um pouco de citrato à dieta.
  2. Água de cevada: É um diurético muito conhecido, que aumenta a produção de urina.
  3. Água de coco: é rica em potássio, ajuda na alcalinização da urina e previne a formação de cálculos renais.

Frutas: Mirtilos ou cerejas

Legumes: pimentão e abóbora

Alimentos ricos em fibras: aveia, feijão, vegetais de raiz e casca de psyllium

RESTRIÇÕES ALIMENTARES

Aqui estão algumas informações importantes para restrição alimentar para prevenir cálculos renais e re-formação de cálculos renais (cálculos renais).

Listas de Alimentos Restritos

Categoria de alimentos Alimentos Restritos
Frutas
Legumes Beterraba, Espinafre, Ruibarbo, Couve, Nabo Verde
Óleos comestíveis
Quantidade de sal Mais de 2500 mg por dia é restrito
Sementes de nozes Amendoim
Pulsações Bengala Inteira, Grama (CHANA), Grama de Cavalo (Kulthi Dal) + , Rajma, Grãos de Soja
Cereais e grãos Farelo de trigo, ragi
Especiarias e ervas Espargos
Lacticínios Todos os produtos lácteos.
Alimentos de origem animal Todos os alimentos de origem animal, incluindo Carnes de Órgãos – Cérebros, Rins, Fígado, extratos de carne – molho, caldo, caldo, consomê, Outros – arenque, mexilhões, vieiras, caviar ou anchovas
Bebidas e bebidas Colas, refrigerantes ou bebidas gaseificadas, suco de frutas pré-embalado
Outras Chocolate, Maçã doce, Pães doces, Xarope de milho

 Kulthi (grama de cavalo) é contraindicado em cálculos renais formados por cristais de ácido úrico ou se o nível de ácido úrico estiver elevado no sangue.

Limitar a ingestão de sódio

Indivíduos com cálculos de oxalato de cálcio precisam reduzir a ingestão de sódio. A alta ingestão de sódio aumenta ainda mais a excreção de cálcio na urina e aumenta o risco de formação de cálculos. Portanto, é aconselhável restringir a ingestão de sódio até 2500 miligramas por dia. Esses indivíduos precisam estritamente reduzir sua ingestão de sódio durante o tratamento. Alimentos com alto teor de sódio, que precisam ser estritamente evitados, incluem

  • Picles
  • Ketchups e chutneys embalados
  • Molhos e molhos
  • Carne processada, como bacon, salsichas e presunto
  • Produtos de panificação, como pães, pães, croissants, folhados, pães de pizza e pães de hambúrguer
  • Nozes salgadas
  • Salgadinhos
  • Lanches salgados
  • Refeições congeladas
  • Alimentos prontos para consumo
  • Vegetais enlatados
  • Feijao cozido
  • Peixe seco
  • Queijo
  • Manteiga salgada
  • Comidas de restaurante

Dica: Desenvolva o hábito de ler o rótulo dos alimentos antes de comprar qualquer produto alimentício. Um rótulo de alimentos é uma ferramenta poderosa, que ajuda os indivíduos a saber a presença de determinados ingredientes e suas quantidades. A leitura de um rótulo de alimentos pode ser de grande utilidade para indivíduos com cálculos de oxalato de cálcio, pois eles podem saber a quantidade de sódio presente no produto alimentício e comprá-lo de acordo. Um rótulo de alimentos nem sempre pode ter a palavra ‘sal’ nele. Procure palavras com prefixo ‘sódio’, como

  • Cloreto de Sódio
  • Benzoato de sódio
  • hidróxido de sódio
  • bicarbonato de sódio e assim por diante

Não exagere na restrição de cálcio

Indivíduos com cálculos de oxalato de cálcio podem exigir uma restrição moderada de cálcio de 800 miligramas por dia. No entanto, dietas com alto teor de cálcio (2000 miligramas por dia) precisam ser reduzidas. A restrição severa de cálcio ou a eliminação completa do cálcio da dieta sem restringir a ingestão de oxalato deixará muito oxalato intestinal não ligado e isso os tornará facilmente disponíveis para absorção. Quando isso ocorre, os níveis de oxalato urinário aumentam e os oxalatos são 15 a 20 vezes mais fortes na promoção da formação de cálculos renais. Portanto, a limitação de oxalatos na dieta torna-se necessária quando a ingestão de cálcio é reduzida.

Restringir proteínas animais

Indivíduos com cálculos de ácido úrico precisam restringir proteínas animais (exceto laticínios), como carne vermelha, carne processada e marisco. Essas proteínas animais aumentam a formação de ácido úrico na urina e aumentam o risco de desenvolver cálculos de ácido úrico. No entanto, uma porção (100 gramas ou 2 pedaços médios) de carne magra, como frango ou peixe, pode ser consumida 2 a 3 vezes por semana.

Restringir a ingestão de chá e café forte

Chá forte ou preto e café são ricos em oxalatos, o que pode aumentar ainda mais o risco de formação de cálculos renais. Portanto, indivíduos com cálculos de oxalato de cálcio podem consumir um chá ou café leve, mas precisam restringir estritamente a ingestão de chá forte ou café forte. A recomendação para quem bebe chá e café é beber uma quantidade moderada de chá ou café (2 xícaras por dia) com leite.

Perda de peso

A pesquisa atual mostrou uma ligação positiva entre a obesidade e o aumento do risco de formação de cálculos renais. Pessoas com sobrepeso e obesidade com circunferência da cintura alta devem perder peso para reduzir o risco. A obesidade está ligada ao aumento da ingestão de açúcares refinados, baixa ingestão de líquidos e alta ingestão de alimentos ricos em cálcio, oxalato e purina. Todos esses fatores aumentam o risco de formação de cálculos renais. Portanto, seguir uma dieta saudável com alta ingestão de grãos integrais, frutas, legumes e carnes magras ajudará na perda de peso e diminuirá ainda mais o risco associado à obesidade.

Evite suplementos de vitamina C

Pesquisas mostraram que indivíduos que tomam suplementos de vitamina C têm maior risco de desenvolver cálculos renais de oxalato de cálcio. A vitamina C é excretada para fora do corpo na forma de oxalato. Portanto, os suplementos de vitamina C devem ser restritos sem restringir as fontes alimentares de vitamina C.

Evite refrigerantes e colas

Refrigerantes e refrigerantes com ácido fosfórico devem ser evitados devido ao seu efeito acidificante na urina.

CONTEÚDO DE OXALATO DE DIFERENTES ALIMENTOS

Itens alimentares Conteúdo de oxalato (miligramas) Porção
Espinafre, cozido 750 ½ xícara
Espinafre, congelado 600 ½ xícara
Folhas de beterraba 916 ½ xícara
Beterraba, cozida 675 ½ xícara
Acelga, acelga, folhas, cozida 660 ½ xícara
Nabos verdes, cozidos 110 ½ xícara
Couve, cozida 70 ½ xícara
Couve, cozida 125 ½ xícara
Batata, cozida 64 1 médio
Batata doce, cozida 140 ½ xícara
Cenouras, cozidas 45 ½ xícara
cacau, seco 250 1/3 xícara
Chocolate sem açúcar 91 30 gramas
Lady dedo 145 7-8 cápsulas
nozes 74 1/3 xícara
Amendoim 113 1/3 xícara
Germe do trigo 67 ¼ xícara

CONTEÚDO DE PURINA DE DIFERENTES ALIMENTOS

Quando alimentos com alto teor de purina são consumidos, a produção de ácido úrico no corpo aumenta. Portanto, pessoas com cálculos de ácido úrico devem restringir os seguintes alimentos (alto e moderado teor de purina)-

Itens alimentares Purina total em mg de ácido úrico/100 gramas
Carne de porco 520
Carne de órgãos (fígado, coração, cérebro, baço) 450-550
Ovelha 773
Peixes, sardinhas 480
Levedura, Baker 680
Levedura, cerveja 1810
Acém 120
Filé de bife 110
Carne, apenas músculos 133
peixe, cavala 145
peixe, salmão 170
Fígado de galinha 243
Feijão, semente, branco, seco 128
Feijão, soja, semente, seco 190

CONTEÚDO DE CÁLCIO DE DIFERENTES ALIMENTOS

Itens alimentares Teor de cálcio (miligramas)/100 gramas
Leite, búfala 210
Leite, cabra 170
leite, vaca 120
Leite desnatado 120
Coalhada, vaca 149
Soro de leite coalhado 30
Amêndoas 230
castanha de caju 50
Amendoins 91
Amendoins, torrados 77
Pistache 140
Noz 100
Coco, seco 140
Coco, fresco 10
Legumes majoritários 11-50
Feijão de cluster 130
Feijão de campo 310
Lady dedo 66
Frutas majoritárias 10-40
Damascos, secos 110
Tâmaras, secas 120
Figos 80
Passas de uva 87
Raízes e tubérculos 10-15
Cenouras 80
Tapioca, chips secos 91
Amaranto, tenro 800
couve-flor, verduras 620
Espinafre 110
Grama verde, dividida 150
Grama de cavalo 287
grama de bengala, inteiro 202
Feijões 202
Feijão 260
Soja 240
Cereais 11-50
Milheto 344

Adote uma dieta baseada em vegetais e evite alimentos de origem animal, incluindo laticínios.

EXEMPLO DE PLANO DE MENU

Café da manhã

CARDÁPIO OBSERVAÇÕES
Opção 1: 1 tigela de cereais ricos em fibras com vegetais OU
Opção 2: 1 sanduíche de legumes com 2 fatias de pão multigrãos ou integral OU Tomates e pimentão podem ser adicionados ao sanduíche após remover as sementes com cuidado (para indivíduos com cálculos de oxalato de cálcio)
Opção 3: 2 fatias de pão integral ou multigrãos com homus de legumes  –

Meio da manhã

CARDÁPIO OBSERVAÇÕES
Opção 1: 1 copo de água de coco (se não for diabético) Isso aumentará o volume de urina
Opção 2: 1 xícara de suco de vegetais + 1 porção de cereal rico em fibras

Almoço

CARDÁPIO OBSERVAÇÕES
1 tigela de salada (sem tomate, pimentão e espinafre) + 2 porções de cereais integrais + 1 porção de tofu
1 tigela de sopa (sem sopa de tomate) Inclua mais sopas de legumes, mas não consuma sopa de tomate
1 porção dividida DAL + 2 Chapatti

Tarde

CARDÁPIO OBSERVAÇÕES
1 copo de água com limão Isso aumentará o volume de urina
Água de cevada
Água de Côco

Jantar Antecipado

CARDÁPIO OBSERVAÇÕES
1 tigela de salada (sem tomate, pimentão e espinafre) + 2 porções de cereais integrais Não adicione molhos de salada à salada, pois eles têm alto teor de sódio.
1 tigela de sopa (sem sopa de tomate) +  1 porção de tofu
1 porção dividida DAL + 1 Chapatti

Add a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *